MUITAS VEZES UM EXEMPLO VIVO VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS

Este texto escrevi durante o período em que Luciano estava internado..

Recentemente, ainda durante o período de internação do Luciano na maratona contra leucemia, que durou 85 dias, recebi de uma prima um e-mail com um link de um vídeo que todos deveriam assistir http://www.youtube.com/watch?v=8VKzUO40pAE .  Mesmo assim transcrevo abaixo a história...

“Muitas vezes um exemplo vivo vale mais do que mil palavras.
Nas olimpíadas de 92 em Barcelona,
os expectadores viram o exemplo de amor vivo do amor de Deus por seus filhos,
naquele ano Derek Redmond da Grã Bretanha estava por alcançar o sonho de sua vida,
que seria ganhar a medalha de ouro na corrida dos 400 metros.
Quando foi dado o tiro de largada para as semifinais,
Derek sabia sem dúvida alguma que ele corria a corrida da sua vida,
mas tragicamente um estirão na perna direita o jogou desajeitadamente com seu rosto no chão
na parte mais difícil da corrida.
Movido por uma enorme força de vontade,
ele se esforçou para ficar de pé,
e se arrastou desesperadamente em direção à linha de chegada,
derrepente um grande homem de camiseta  pulou das arquibancadas furando a segurança,
e alcançou o corredor ferido...
Deem Redmond passou os braços ao redor de seu filho, e disse:
- “filho você não precisa fazer isto!”
- Derek respondeu: “sim papai eu preciso”,
- “muito bem então, vamos terminar a corrida juntos”, disse o homem mais velho
E foi isto que eles fizeram, permanecendo ao seu lado por toda corrida,
frequentemente amparava a cabeça de seu filho que escorava em seus ombros,
e assim chegaram ao final enquanto a multidão se ajuntava chorando e dando bravo.
Derek Redmond não ganhou a medalha de ouro naquele dia,
mas ele terminou a corrida na certeza de ter um pai que o amava muito para ficar nas arquibancadas ao longe o vendo sofrer,
um pai que furaria qualquer segurança para fazer parte de sua corrida.
Este é o tipo de Pai celestial que temos?
Um Pai que fica lá do céu nos assistindo falhar e cair?
Um Pai que quer fazer parte da nossa corrida
correndo ao nosso lado em cada passo da jornada
até que cheguemos seguros ao nosso lar.”

Deus falou forte comigo, e me emocionei muito com esta história, a qual me remeteu à realidade que temos vivido. Mas lançando mão de uma frase sempre dita pelo Luciano, “Pai não compare uma coisa com a outra, cada caso, é um caso”, o que eu concordo como pura verdade. Acredito que as experiências vividas por outras pessoas, estão à nossa disposição para usá-las da maneira que desejarmos, ou não, e mesmo assim, ela só nos serve para formar uma opinião a fim de estabelecer parâmetros para nortear nossas vidas.  
Luciano, como atleta de triathlon, foi um campeão, além de detentor de diversos títulos nacionais e regionais, participou dos campeonatos mundiais na Suíça e Alemanha, e em Vancouver, Canadá conquistou a medalha de bronze. Nesta trajetória, a presença de Deus sempre foi manifestada e marcada por alguns gestos, como por exemplo, nas maratonas quando ele se aproximava da linha de chegada, erguia as mãos para o alto em agradecimento a Deus, isto patenteava sua chegada e demonstração de graças a Deus.  Um outro momento também ficou marcado, aconteceu em setembro de 2007 em Brasília durante uma prova de Meio Iron Man. O tiro de largada marcado para as 7 horas, por razoes técnicas sofreu um atraso de quase duas horas, o que certamente prejudicaria o rendimento final dos atletas, porque com o tempo normalmente feito em uma prova destas, a mesma deveria terminar entre 13 e 14 horas. Entretanto não foi o que aconteceu, porque com o atraso da largada, o término naturalmente seria mais tarde. Luciano, na primeira parte da competição nadou 1.900 metros, conseguiu fazer sua transição para o ciclismo com o tempo muito bom, pedalou 90 quilômetros já debaixo de um sol escaldante de final da manhã, passando para a última e mais desafiadora etapa que seria correr 21 quilômetros. A grande dificuldade seria porque a corrida além de ser fisicamente desgastante, a temperatura após o meio dia já ultrapassava os 32 graus, e a umidade relativa do ar próximo dos 15%, clima típico do planalto central, além do mais existia um outro complicador, Luciano corre também contra uma diferença de 8 centímetros menor na perna esquerda em relação à direita, mas isto nunca foi limitação para sua performance. Durante a competição, nós, da equipe de apoio, eu, Sissi, Priscila e Bruna, com o mapa na mão, nos dirigíamos de carro para alguns pontos do trajeto procurando antecipar sua passagem para o incentivar, entretanto próximo das 15 horas, faltando em torno de 6 quilômetros e sob um clima de deserto, preocupados com a saúde de nosso atleta, ao ver muitos  desmaiando ou mesmo desistindo por falta de condições físicas, em um destes momentos que conseguimos esperar o Luciano cruzar conosco, o convencemos a abandonar. Digo abandonar, porque um atleta jamais desiste de uma competição, o que teria uma conotação de fraqueza, mas sim abandonar, o que parece não ter muita diferença, mas psicologicamente tem um sentido mais positivo. Um atleta de alto rendimento, normalmente nunca abandona uma competição, a menos que causado por uma lesão ou por um colapso físico, desmaio, por exemplo, e preocupados com isto, para nós convencermos o Luciano foi uma grande dificuldade, porque com os níveis de adrenalina, seratonina e endorfina em seu corpo após quase 7 horas de competição, o tornava anestesiado contra dores, cansaço, e mentalmente obsecado pelo final da maratona. Acontece que Deus falou mais forte ao seu coração, o poupando de uma intercorrência ou até um acidente, porque no momento em que o Luciano parou, o suor dele ao contrário de ser líquido, era puro sal, ele estava se desidratando. Deus se mostrou presente através de nós o convencendo a parar. Ele já era um vencedor, já tinha passado a linha de chegada a muito tempo, já tinha sido condecorado um campeão.

Sem comparar, nem mesmo desmerecer a experiência vivida por Derek Redmond, Luciano, campeão de triathlon, também sofreu várias quedas de rosto no chão, mas nunca em espírito, ao enfrentar no decorrer de sua trajetória três cânceres.   Estas experiências o consagraram tri-campeão na vida, e agora rumo ao tetra, contra a leucemia, quando de três etapas, só resta uma, para mais uma vez receber a medalha de ouro.  Assim como o Sr. Deem, pai de Derek, neste grande prêmio que o Luciano vem enfrentando, quebrei também as regras de segurança e normas quando em suas internações só era permitido um acompanhante junto dele, consegui e SEMPRE fiquei ao seu lado, mas não só isto, como também, arrebentei as correntes de minhas limitações físicas, correndo as maratonas da forma que Deus permitiu ao lado dele o segurando e motivando, abdiquei também do meu conforto e luxo, em troca de estar aconchegado junto dele, assim como desprezei meus conceitos e parâmetros de tempo (relógio e calendário), e de rotina (trabalho e casa) vividos 24 horas por dia. Entretanto, nesta equipe de apoio e companhia, toda a honra e glória sejam dadas a Deus, O Qual sob sua unção tem conduzido os trabalhos dos médicos e enfermeiros, apoiado física e emocionalmente a Sissi sempre presente ao meu lado, e a Priscila, que apesar de estar fisicamente distante, a protege e guarda, a fazendo minha grande motivação.

Considerando que nosso Deus é um Pai vivo e que está sempre presente ao nosso lado, e nós seus filhos fomos criados a sua imagem e semelhança, entendemos a partir daí porque temos por natureza o sentimento de O copiar, e ter dentro de nós o instinto paternal de proteção, provisão, e amor por nossos filhos, tornando fácil compreender quando nos vimos, a partir daí, vivendo e querendo agir também como Tal. Daí entendemos algumas de nossas atitudes como pai, em relação as de Deus Pai: 
·         Deus Pai, protetor e auxiliador nos momentos de dificuldades -  “Deus é nosso amparo, nossa fortaleza, nosso pronto auxílio nas tribulações, ainda que se mudem os montes para o mar, ainda que a terra trema, teremos em quem confiar.” Salmo 46.
·         Deus Pai, confidente e porto seguro -  Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus.” Filipenses 4:6-7.
·         Deus Pai, provedor e amoroso -  “Naquele dia, nada me perguntareis. Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes alguma coisa ao Pai, ele vo-la concederá em meu nome. Até agora nada tendes pedido em meu nome; pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa.” João 16:23-24.

Portanto, Luciano no decorrer de sua carreira de atleta de Deus, sempre teve o aparo meu, da Sissi e Priscila quando caiu não só uma vez de rosto no chão, e em nenhuma destas vezes ele ficou com o rosto no chão, ele o virava para os céus, de onde vinha o socorro do PAI. O socorro do Luciano sempre veio do PAI que fez o céu e a terra”. Salmos 121:2

Não poderia terminar, sem destacar a presença de Deus, através de um anjo, que apareceu de forma tão sutil em nossas vidas, e de maneira única e especial, na vida do Luciano, que foi Bruna, a qual com toda sua ternura, carinho, paciência, resignação, confidência, companheirismo, e incentivo, se juntou à nossa equipe compartilhando com ele seu amor, vivendo assim uma belíssima história de amor. Deus já sabe de nossa gratidão, a paixão que Luciano tinha por ela o explicava, mas nós, queremos dedicar a ela um de seus títulos de campeão, deixando também com ela nosso carinho e respeito.

Luciano, Priscila, Sissi e Orlando Alves Carneiro Júnior.