Provações...

Todo nós recebemos notícias ruins na vida. Pode ser um zero na prova de matemática, uma multa por falar no celular dirigindo, uma conta que venceu e até mesmo, um câncer que te achou... Que por sinal é um balde de água fria na cabeça de qualquer um, ainda mais, quando a pessoa está vivendo uma vida extremamente próspera, com uma vaga em uma boa faculdade, resultados hiper importantes no esporte e muitos planos para concretizar. Enfim, foi exatamente o que aconteceu comigo!

Terminava um ano cheio de realizações, um ano perfeito. Em Junho eu conquistei a medalha de bronze no mundial de triathlon em Vancouver, em julho decidi lutar pelo sonho de estudar medicina, em Agosto voltei para o colégio WR, só que agora no cursinho, para me preparar para os vestibulares nos últimos meses do ano, no mesmo mês descobri minha segunda paixão esportiva, o jiu-jitsu e o MMA -meio maluquice, mas eu confesso que adoro!!-, durante o semestre conheci um dos meus grandes amigos, o Andrei, e muitas outras pessoas que estudaram comigo no WR, e fiz uma maratona de provas em Outubro e Novembro. E assim, encerrei o ano com duas grandes notícias que mudariam tudo pelo resto da minha vida, havia passado no vestibular para medicina, e estava com leucemia.

Um choque para todo mundo!! Um ano tão maravilhoso, e tinha que terminar assim? Não parecia justo!!!

Depois do mês de Setembro, eu não passava uma semana sequer sem estar meio gripado, ou muito cansado, ou tossindo. Era impressionante, pois quando mais precisava estar com a saúde boa para estudar, eu estava com alguma coisa. Um dia, até cheguei a comentar com o Andrei o quanto estava indignado com isso, e questionei se eu era mais fraco que os outros, pois sempre ficava doente. Comecei então a pensar isso mesmo, que de um jeito ou de outro eu não estava normal, e isso não saiu mais da minha cabeça. Chegando na época dos vestibulares, a situação piorou, comecei a ter febres e me sentia muito cansado ao fazer esforços que antes eram extremamente simples, ainda mais com o meu fôlego de triatleta. Subir as escadas do cursinho, treinar, andar no shopping, começaram a ser tarefas muito cansativas. Começamos a cogitar que estava com dengue, depois com alguma virose desconhecida, mas os sintomas já duravam mais de um mês, o que não é normal para nenhuma dessas doenças. Achamos melhor ligar para o Dr. Sidnei Epelmen, meu médico de São Paulo, que na mesma hora nos mandou ir para lá, para fazer alguns exames e para me ver. Ele sabia que isso tudo estava errado, muito errado.

Depois de fazer alguns exames fomos nos encontrar com ele, para nos dar a resposta. Eu não sei explicar, mas tinha certeza que eu estava com alguma coisa. Lembro perfeitamente do momento como se tivesse sido a 5 minutos atrás, estava eu sentado na maca do consultório, meu pai, minha mãe e minha avó Scila estavam sentados de costas para mim nas cadeiras, e de frente para nós o Dr. Sidnei. Na minha cabeça eu ficava torcendo para que o meu pressentimento estivesse errado, mas as palavras dele foram claras: "Não tenho notícias fáceis para vocês.. O Luciano está com leucemia." É... eu infelizmente estava certo. Ficamos em silêncio, algumas lágrimas brotaram, estávamos todos perdidos com a nova notícia. Passando uns minutos, Dr. Epelman explicou que tudo isso tinha cura, mas que não seria fácil, e que ele estaria junto conosco durante todo o processo. Após meus pais e minha avó perguntarem tudo o que havia para ser perguntado no momento, eu estava com apenas uma pergunta entalada na garganta, mas queria estar a sós com o meu médico, e amigo, na sala para fazê-la. Quando enfim consegui, disse à ele que estava tranquilo com aquilo tudo, e realmente estava -já era Deus agindo-, e que tinha apenas uma pergunta, "Dr. Sidnei, eu vou morrer, ou dá pra sair mais dessa?".  Segundo ele, com toda sinceridade do mundo, disse que eu tinha ótimas chances.

É claro que aquilo tudo havia virado minha minha cabeça de pernas para cima. E mesmo com aquela estranha sensação de tranquilidade, comecei a questionar se isso era justo comigo, se eu merecia passar por toda aquela luta pela 4a vez na minha vida. Comecei então a orar e pedir para Deus me mostrar o motivo disso tudo. Do consultório fui direto para o Einstein, pois tinha que começar urgentemente a primeira quimioterapia, e no caminho, Deus começou a revelar para mim que essa leucemia não era páreo para mim, e que ela ia me deixar mais forte, ia me tornar uma pessoa melhor, e também que através da cura dela e de mim, Ele iria alcançar outras pessoas, eu seria um instrumento de Deus!!! Comecei então a chorar, estava aliviado e sabia que essa luta era apenas mais uma para eu vencer!! E estou aqui, VENCENDO!!!!

Pessoal, podemos receber notícias ruins a todo momento, e durante qualquer fase da nossa vida, mas precisamos estar sempre próximos de Deus, para que quando as provações vierem, podermos entender a razão e os propósitos, que Ele tem para nós. OK?????

Hoje eu estou bem melhor já!!! Passei a tarde toda dando um volta no shopping e fazendo umas comprinhas, o que é muito bom as vezes, ?? rsrsrsrsrsr!!! Foi super divertido encontrar com uns mexicanos hoje, minha mãe se sentiu super em casa!!!! HEHEHEHEHEH!! Coitada!!! Estou brincando!!!

Mas é só isso então pessoal!! Fiquem com Deus e abraços a todos!!!!!!!!!!!! E hoje é um OI geral!!!!!!!!!!!! rsrsrsrsrsrsrsr

Até amanhã!!!